A atriz Bruna Marquezine virou uma ferrenha crítica do governo do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Ainda no momento das eleições, a atriz chegou a fazer uma campanha pelo movimento “ele não”, que pregava a não votação ao líder do PSL, Bolsonaro. Nessa semana, a atriz Bruna Marquezine usou a internet para atacar Flávio Bolsonaro, após o relatório do Coaf que divulgou movimentações financeiras do Senador.

Por meio do Instagram, a atriz Bruna Marquezine pediu explicações para a família do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Ela ainda chamou o caso de ‘Bolsonarogate’, fazendo uma referência ao caso ‘Watergate’, que gerou um impeachment nos Estados Unidos. No entanto, a famosa acabou sendo atacada pelo influencer Agustin Fernandez, famoso aliado de Bolsonaro.

Bruna Marquezine  é atacada por Agustin Fernandez nas redes sociais

Depois das críticas a Bolsonaro, Agustin Fernandez saiu em defesa do presidente e humilhou a atriz, lembrando o recente término dela com o jogador de futebol Neymar, do PSL.

“Bruna Marquezine quem te deu um chute na bunda não foi Bolsonaro, foi Neymar Pare de descontar a sua dor nele, ressentida”, escreveu o influencer digital nas redes sociais, como pode ser visto na publicação abaixo:

Bruna Marquezine quem te deu um chute na bunda não foi Bolsonaro, foi Neymar Pare de descontar a sua dor nele, ressentida

Posted by Agustin Fernandez on Wednesday, January 23, 2019

Globo já associa Flávio Bolsonaro à morte de Marielle Franco

Nesta terça-feira, 22 de janeiro, o ‘Jornal Nacional’ dedicou grande tempo para reportagens contra o Senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Pela primeira vez, o canal associou o nome do Senador à morte da vereadora Marielle Franco, do PSOL. A TV Globo tem sido alvo de boicote nas redes sociais por conta da postura da emissora.

Nesta terça-feira, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do Rio desencadeou a Operação “Os Intocáveis”, em Rio das Pedras. Entre os alvos da operação, estavam os militares  major Ronald Paulo Alves Pereira e o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega.

A Globo fez questão de citar que os dois militares foram homenageados por Flávio Bolsonaro entre os anos de 2003 e 2004, mais de dez anos antes da morte da vereadora do PSOL.

Pelo Facebook, o Senador voltou a dizer que estava sendo vítima de perseguição. Sobre a associação de seu nome com os presos suspeitos na morte de Marielle Franco, o filho do presidente disse que já homenageou centenas de militares ao longo de sua carreira política.

A TV Globo vive um momento difícil. O principal canal do país está sendo vítima de ataques nas redes sociais de eleitores do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Tudo começou depois que a Globo, diariamente, começou a dar destaque para as denúncias envolvendo o filho do presidente, o Senador Flávio Bolsonaro. Ele está no olho do furacão por movimentações bancárias consideradas suspeitas.